Quem é a Braskem?

Publicado em

 

Muito se tem ouvido falar sobre o afundamento do solo em Maceió, capital das Alagoas, terra maravilhosa de turismo inigualável, em razão da mineração de salgema, pela empresa brasileira Braskem.

Resolvemos, então, trazer algumas informações a respeito e lançar desafios. Como sempre, o nosso objetivo é instigar o pensamento para que, assim, se encontrem soluções para os problemas que surgem. O objetivo é mesmo a formação da consciência.

Por isso, neste mês de janeiro, abrindo o ano de 2024, traremos quatro artigos que abordarão – sem liquidar o assunto, porém – os danos causados em Maceió, como exemplo atualíssimo, e as responsabilidades decorrentes da atuação minerária.

A mineração, nem se discute, é uma atividade fundamental para a sociedade e para todos os setores da economia, em todo o mundo, e o Brasil, já reafirmamos, inúmeras vezes, é relevantíssimo produtor desta matéria prima: o minério.

A diversidade mineral brasileira é extraordinária! Uma riqueza enorme!

Mas, o que é salgema, como se explora, qual a sua importância econômica, quais os custos disso, sejam financeiros, sejam sociais, sejam ambientais?

O salgema é um tipo de rocha sedimentar que se compõe, basicamente, de sais, como, por exemplo, o cloreto de sódio, o nosso conhecido sal de cozinha. A mineração do salgema se faz, em regra, pela via subterrânea, envolvento perfuração de poços, à beira mar, com uso contínuo de água para a dissolução dessa rocha. Forma-se uma solução de sal que é trazida à superfície. Em linhas gerais, com a evaporação da água, obtem-se o produto final.

O salgema é matéria prima para plásticos, principalmente o PVC (policloreto de vinila), soda cáustica, bicarbonato de sódio e ácido clorídrico, produtos químicos diversos e outros tantos fertilizantes. De imediato, se conclui pela sua relevantíssima importância para a economia de todo o mundo.

A mineração subterrânea, e dentre elas a do salgema, pode causar sérios problemas geotécnicos, uma vez que altera a estrutura de sustentação do solo, inevitavelmente. Por isso, afundam-se os solos próximos e veem-se rachaduras nas edificações; rompe-se o equilíbrio da superfície, numa desestruturação de grande impacto.

Evidentemente, o custos de implantação da atividade são altíssimos, e, igualmente, os lucros. Custos financeiros e lucros têm sido restritos ao empreendedor e outras pessoas que lhe orbitam as esferas de influência.

De outro lado, os custos socioambientais são de muitos, são dos anônimos, e, ordinariamente, se prolongam no tempo e no espaço, aguardando uma solução que nem sempre chega. Ou chega tarde. Ou chega débil.

As comunidades locais podem ser prufundamente afetadas, resultando em inevitáveis deslocamentos de sua situação e larga perturbação em sua qualidade de vida.

Além disto, a atividade libera efluentes salinos, provenientes do processo de extração do minério, e seu caminho natural é a contaminação das águas subterrâneas e superficiais, afetando os ecossitemas aquáticos, próximos e remotos, e afetando, prologadamente, a saúde humana.

A Braskem na mineração

A Braskem, gigante petroquímica brasileira, iniciou suas operações de mineração na região de Maceió, através de uma de suas empresas originárias, a Trikem, na década de 1970, visando a extração de minerais essenciais para a produção de insumos para a indústria química.

A partir de 2002, houve a fusão de diversas empresas (Copene, OPP, Triken, Proppet, Nitrocarbono e Polialden), adquiridas pela ex-Odebrecht, resultando na poderosa Braskem.

A partir de 2018, começaram os registros de afundamento do solo, na região de Mutange e Bebedouro, em Maceió/AL. Tremores de terra, rachaduras nas casas, e evacuação de mais de 60 mil pessoas de suas residências que corriam risco de virem abaixo.

Mesmo antes, à medida que a operação de mineração crescia, começaram a surgir preocupações sobre seus possíveis impactos ambientais e sociais. Comunidades locais e grupos ambientalistas levantaram questões sobre o possível deslocamento de comunidades, a degradação do solo e a contaminação da água. Com o avanço das investigações, ficou claro que as operações de mineração da Braskem eram responsáveis pelos problemas geotécnicos que resultaram em afundamento do solo e a população local viu-se em uma crise socioambiental, com centenas de famílias sendo afetadas pela deterioração de suas casas e pela incerteza quanto ao futuro.

Os danos socioambientais experimentados pela população de Maceió já deixam cicatrizes e as comunidades afetadas buscam compensação e solução para os problemas.

Nos cenários brasileiro e mundial, a mineração do salgema (assim como outras várias) enfrentará desafios, uma vez que a demanda global pelos produtos derivados destes minérios tende a crescer exponencialmente, com o aumento da população e as necessidades do desenvolvimento industrial.

A mineração, de um modo geral, e a de salgema, em particular, enfrenta desafios e oportunidades. A demanda global por produtos derivados do salgema continua a crescer, impulsionada pelo aumento da população e pelo desenvolvimento industrial. Isso deve incentivar o setor a buscar práticas mais sustentáveis e tecnologias inovadoras para mitigar os impactos negativos.

Em todo o mundo, a responsabilização das indústrias, de um modo geral, e, especificamente, das mineradoras, é tema de debate.

Aquele que pratica atividade de risco tem obrigações de prevenção e, diante do sinistro, de recomposição da situação dos que estejam afetados.

No Brasil, a regulação e fiscalização rigorosas são essenciais para garantir que a mineração seja conduzida de maneira responsável e sustentável. O engajamento com as comunidades locais e a transparência nas operações também são cruciais para construir uma relação de confiança.

Não deixe de acompanhar o Cidadesmineradoras.com.br e o @mm_advocaciamineraria. Nas próximas semanas, importantes considerações sobre a tríplice responsabilidade das empresas mineradoras, em caso de danos socioambientais, serão apresentadas neste canal.

Marcia e Marian corteMárcia Itaborahy e Mariana Santos

MM Advocacia Minerária

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...