Mina da Braskem expõe falhas de segurança no Brasil após acidente de Mariana e Brumadinho

Publicado em

Mesmo depois dos devastadores rompimentos de barragens em Mariana (MG) e Brumadinho (MG), o afundamento do solo nos bairros de Maceió devido à mineração de sal-gema na mina da Braskem, destaca as persistentes deficiências de segurança na indústria de mineração no Brasil.

O Congresso só conseguiu aprovar algumas leis destinadas a reforçar as inspeções, deixando incerteza quanto à compensação pelos extensos danos causados nas barragens e minas que existem no Brasil.

Câmara apresenta 9 propostas para melhorar regulamentação em minas e barragens

Após a ocorrência do acidente de Brumadinho em 2019, juntamente com a subsequente revelação de subsidência do solo em Maceió causada pelas minas da Braskem, uma comissão dedicada dentro da Câmara apresentou um total de nove propostas legislativas destinadas a melhorar a regulamentação e a fiscalização das operações de mineração, bem como bem como medidas de prevenção de desastres.

Entretanto, um novo impasse na semana passada interrompeu as renegociações sobre a compensação das pessoas afetadas pelo desastre de Mariana em 2015. Os governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo solicitaram 126 bilhões de reais. Vale, Samarco e BHP propuseram um investimento de 42 bilhões de reais.

Em Maceió, os controles preventivos têm sido um dos pontos mais criticados. O poço 18 rompeu parcialmente no domingo e não foi inspecionado por quatro anos, até que aconteceu novamente em maio.

Embora as discussões jurídicas sobre o reforço da segurança continuem a avançar, as autoridades e as empresas debatem-se com questões de compensação. No caso de Mariana, os governos dos estados de Minas e Espírito Santo assinaram um acordo com Vale, Samarco e BHP para fornecer compensação e financiamento às 435 mil pessoas, mas sem prazos ou limites claros.

Acordo inicial previa 42 projetos ambientais, econômicos e sociais a serem implementados pela Fundação Renova

Dado o lento progresso e as reclamações dos moradores sobre a falta de negociações, isso levou a mais processos judiciais – inclusive na Inglaterra, naquele que é considerado o maior caso da história, pedindo indenização de 230 bilhões de reais – perante o 6º Tribunal Regional do Distrito Federal. tentou negociar alterações ao acordo.

“A execução de tais ações exige que as empresas aportem recursos em montante compatível com o impacto da tragédia causada por essas ações”, afirmaram o governo do estado e a Advocacia-Geral da União (AGU), em nota conjunta.

O acordo inicial previa 42 projetos ambientais, econômicos e sociais a serem implementados pela Fundação Renova. Desde 2016, foram pagos R$ 33,38 bilhões, sendo R$ 13,56 bilhões em indenizações e R$ 2,58 bilhões em auxílio emergencial.

Segundo a fundação, 441 famílias receberam novas casas ou compensações habitacionais ou empresariais, enquanto outras 255 famílias receberam “soluções claras”. A fundação acrescentou que a qualidade da água do Rio Doce voltou a parâmetros semelhantes aos anteriores ao rompimento.

Matérias Relacionadas

‘Festival Fartura Dona Lucinha’ agita cidades de Serro e Conceição do Mato Dentro

Entre os dias 20 e 28 de maio, o "Festival Fartura Dona Lucinha" chega...

‘Rodovia do Minério’: acordo entre MPMG e prefeituras pode tirar 1.500 carretas da BR–040

No primeiro semestre deste ano, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pretende finalizar...

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...