Acordo entre USP e Ibram pretende reforçar combate ao ouro ilegal no Brasil

Publicado em

As instituições irão desenvolver uma plataforma para identificar a procedência do ouro e melhorar o sistema de rastreabilidade.

A Universidade de São Paulo (USP) e o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) anunciaram, na última quinta-feira (18) um acordo de cooperação para identificar a procedência do ouro e combater a circulação de ouro ilegal. O produto da parceria é um sistema chamado de Plataforma de Compra Responsável de Ouro (PCRO) que será desenvolvida pelo Núcleo de Pesquisa para a Mineração Responsável da USP (Nap.Mineração) em parceria com o WWF Brasil e do Instituto Igarapé.

x12f29a90bc15922b42f130d0e50f6a17.jpg.pagespeed.ic .E9E5wqU m6
A assinatura do acordo ocorreu no dia 18 de maio, no gabinete da vice-reitora da USP.

O diretor-presidente do Ibram, Raul Jungmann, ressaltou a gravidade do garimpo ilegal na Amazônia e na vida dos povos indígenas. De acordo com Jungmann, mais da metade do ouro produzido no Brasil é de origem ilegal.

“O sistema permite separar o ouro legal do ouro ilegal, ouro de sangue, que destrói a natureza, destrói os povos indígenas e prostitui as crianças dos povos indígenas e a própria natureza. Permite a qualquer comprador saber se aquele ouro é legal ou ilegal”  – afirmou.

No momento, a plataforma está em fase de testes. Sua primeira versão foi testada por usuários da esfera pública e privada relacionados ao mercado do ouro como joalherias, bancos e o Ministério Público Federal. De acordo com a USP, a plataforma será apresentada à imprensa.

Segundo a vice-reitora da USP, Maria Arminda do Nascimento Arruda, o acordo tem um papel civilizatório e mostra a necessidade de um protagonismo da USP no resgate da ciência para um desenvolvimento sustentável.

“Este acordo de cooperação da USP com o Ibram tem um papel civilizatório. Ele permitirá enfrentar e afastar um conjunto de atividades ilegais ligadas à mineração, permitindo uma atividade mineradora inclusiva, que preserva a biodiversidade brasileira e os direitos inalienáveis dos povos originários” – destacou.

O garimpo e o comércio de ouro ilegal é um problema urgente enfrentado pelo setor mineral há muitos anos. Dados do Instituto Escolhas mostram que cerca da metade do ouro comercializado no país tem origem ilegal. De acordo com o instituto, o garimpo ilegal foi multiplicado em cinco vezes entre os anos de 2010 a 2020 afetando, principalmente, as terras indígenas e áreas de conservação ambiental.

Leia também:
https://cidadesmineradoras.com.br/brasil/mais-da-metade-do-ouro-comercializado-no-brasil-possui-tracos-de-ilegalidade/

Matérias Relacionadas

“A Concessão Itabira Iron”: Livro relata a história da mineração em Itabira.

"A concessão Itabira Iron, a origem da Vale e os primórdios da mineração no...

“É impossível conduzir uma agência na situação que ela está” – diz AMIG sobre Agência Nacional de Mineração

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil(AMIG) declarou apoio aos...

“Gente cuidando das águas” – projeto da Nexa é destaque em evento da ONU

O "Gente cuidando das águas" foi desenvolvido pela mineradora Nexa com apoio do Banco...

últimas Matérias

 Anglo Gold Ashanti tem vagas de estágio para níveis técnico e superior

Vagas se destinam tanto a atuações presenciais quanto híbridas, com carga horária diária de 6 horas; Inscrições podem ser feitas pela internet até 31 de agosto

 Ato em defesa da ANM – servidores protestam pela estruturação da Agência Nacional de Mineração

Servidores da Agência Nacional de Mineração estão com as atividades paralisadas como forma de...

 Funcionários dos Correios desistem de greve na véspera da Black Friday

Servidores cogitavam paralisação para reivindicar correções em Acordo Coletivo e melhores condições de trabalho, mas desistiram da ideia após terem pedidos considerados pelos Correios

‘AMM nas Micros’ chega em Conceição do Mato Dentro na próxima semana

A caravana do “AMM nas Micros” volta às estradas e desta vez o objetivo...